quinta-feira, 3 de setembro de 2009

PAIXÃO INTEMPORAL (... Delírio de sonhos, sonhados no tempo!)

Foste tudo para mim!
Paixão…Ilusão…Amor…
…Obsessão…Loucura!
Foste o meu dia, a minha noite, o meu sol, a minha lua…
…A luz do meu entardecer, as estrelas da minha escuridão!


Encontrei-te quando mais precisava de te encontrar!
Perdido em dia dos perdidos, em dia dos desesperados, procurei no teu olhar o ânimo que me tinha abandonado, a tua boca nada perguntou, os teus braços abriram-se para me receber, nada me pediste, nada te dei, nada demos um ao outro e, todavia, demos tudo!

Nesses momentos inquietantes em que a minha alma foi trevas, tu foste a âncora que me susteve, a corrente que me prendeu a um mundo que eu tinha, por desistência, abandonado!

Foste o bálsamo das minhas dores, foste o silêncio da minha tempestade, pouco falaste, mas disseste tudo, a imensidão do teu olhar deu-me a seiva que a vida me tinha tirado.

Deste-me carinho, deste-me calor, deste-me tranquilidade, deste paz ao meu espírito, não sei se me deste amor, nunca te perguntei, mas fizeste sentir-me amado e isso era tudo, o que, naquele momento, mais necessitava.

Em ti descobri tudo. Na ilusão da pintura do teu corpo, foste o meu modelo; na inspiração da minha prosa, foste a minha musa; no devaneio dos meus sonhos, foste a minha paixão…

Compreendeste a angústia da minha alma, o vendaval da minha existência e lentamente tornaste-te tu própria a obsessão da minha loucura.

Adorava estar contigo, brincar contigo, provocar-te para admirar o brilho zangado dos teus olhos, fixar a covinha do teu rosto, local onde te vão aparecer as primeiras rugas, contemplar a tua silhueta elegante, admirar o teu andar altivo de perturbante mulher…

Senti ciúmes de todos os homens de que me falavas, do vento que te acariciava a face, do sol que te beijava a pele…

Nesta fase da minha vida amei-te perdidamente, nos meus sonhos, tive-te, possuí-te, foste minha, fomos um só, foi o delírio dum momento de loucura, quando te procurei apenas encontrei a solidão do vazio.

Tudo na vida tem um fim! Esta ilusão, esta paixão unilateral, esta demência dos sentidos também vai ter o seu fim, eu sei, mas também sei que me vai causar muita dor, sei que vou-te dizer ‘até amanhã’ e sentir o coração destroçado, sei que vou dizer-te que tenho de fugir de ti, que não quero mais a tua presença, e, no entanto, vou andar a procurar os teus espaços vazios, a cheirar o teu cheiro na tua ausência, a ver-te de longe quando não me podes ver…

Nesta agonia de vida sei que nada te posso oferecer, que não posso lutar por ti, assim, só me resta o declive da curva do caminho, o fim da estrada, desta terra de solidão, desta terra inóspita!

Quinta do Anjo, Agosto de 2009

Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

11 comentários:

Fatima disse...

Ah Carlos,
esses delírios!
Vc escreve tão bem meu amigo.
Bjs.

Graça Pereira disse...

O amor, a ilusão, a paixão, pode-se viver no coração, ainda que o"declive da curva do caminho " se vá avistando porque, ele, o coração, nunca envelhece. Gostei desta tua "Paixão Intemporal" sentida, arrebatadora. Um beijo Graça

Vivian disse...

...querido meu,
ainda bem que é apenas delírio
de sonhos.

o amor faz isso...

beijo imenso, lindo poeta!

Faces de Mulher disse...

Nunca devemos deixar de procurar o amor...
Pois, quando encontramos sempre vale muito...
Amei seu comentário e sua visita...
Tenha um ótimo fim de semana...
Bjks...
Chrys
;)

Princesa disse...

Boa noite
obrigado pela visita...

Se existe o fracasso é

porque existirá o sucesso...

Se existe a derrota é

porque existirá a vitória...

Se existe a tristeza é

porque existirá a alegria...

A verdade é que sempre depois de uma noite escura,

volta a brilhar um novo dia.

tenha um ótimo domingo
Beijinhos

Graça disse...

Paixão intemporal? Só a poesia é intemporal, meu querido, e serão as tuas belas palavras, com que cantas a tua musa, que permanecerão, para lembrar que, um dia, o teu sonho esteve perto. Que o coração continue sempre aberto a uma nova paixão :)... as palavras agradecem!


Um beijo imenso de carinho para o teu domingo.

intervalo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
intervalo disse...

Carlos,Arte de Amar está na boca que nada pergunta,nos braços que recebem sem nada pedir,a âncora que sustenta a corrente que segura o mundo para que não desista.A Arte de Amar aí, neste belo texto que escreveu.Desejo-lhe uma noite linda de domingo e uma semana tranquila.beijoss com carinho meu.Lia...

Graça Pereira disse...

Amigo, tens uma prendinha para ti no meu blog, agarra-a com cuidado e desembrulha-a!!! Beijos Graça

Doroni Hilgenberg disse...

Carlos.
Lindo texto

Ah! esses sonhos, esses delirios
quando acabam quase nos acabam também.
bjs

Doroni Hilgenberg disse...

Ah.. equeci de contar.
estarei ausente, viajo hoje por tempo indeterminado, sentirei saudades.
Ah! Carlos, procure em meu Blog o poema " THE END" e compare com essa Paixão Intemporal"
bjs