terça-feira, 16 de novembro de 2010

A CABANA [… desejos]!



A CABANA!

Desci do alto da serra,
Quando subir mais não podia,
Desabei nesta agonia,
Vivo atolado na terra.

Deixei o telhado do céu,
A cabana em que te tinha,
A paixão em que eras minha,
Desço ao mundo cor de breu.

Sou rocha, pedra de xisto,
Memorial onde registo,
Os teus lábios de carmim…

Em eterno desencontro,
Apenas em ti me encontro,
Quando me perco de mim.


Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

Quinta do Anjo, 14 de Novembro de 2010


DESEJOS

No ornato plangente dos sonhos
delirantes,
Muitas mulheres me dão o corpo
virtual,
Muitas paixões me dão a alma
mortal…
(Na vida, amor…)
Só em ti sacio os meus desejos
ardentes!

Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

Quinta do Anjo, 14 de Novembro de 2010

12 comentários:

Lídia Borges disse...

Olá Carlos!

A maturidade das expressões, a beleza das imagens, a construção do texto poético, tudo conjugado a produzir um momento de raro encanto.

Obrigada!

Vivian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Sonhadora disse...

Meu querido Carlos

Que esse amor preencha a tua alma e o teu coração...que sejas para a tua musa, amor eterno.

Beijinhos com carinho
Sonhadora

Graça Pereira disse...

Gosto da tua Poesia onde arde sempre um fogo de sentimentos onde o teu coração se queima e a tua alma se encontra!
beijo
Graça

Eduarda disse...

Carlos,

que soneto me entrou alma dentro.

duma beleza e suavidade, num momento de pureza.

bj

Fatima disse...

Meu amadinho,
fico sempre encantada com vc!!!
Aqui no seu blog e em sua presença sempre tão carinhosa no meu.
Bjs.

Linda Simões disse...

Carlos

Te peço autorização para usar o texto do teu comentário em meu blog- sobre a Paz (em minhas aulas de Filosofia).

Todos os anos usos textos para reflexão sobre o verdadeiro sentido do Natal e de sua comemoração...

...

Às vezes desabamos mesmo e só nos encontramos no outro. O que significa que o outro fica com toda
a responsabilidade de nos fazer felizes...Quando na verdade precisamos ser felizes sozinhos, todos os dias,sem depender de ombro de ninguém...


Um beijinho para ti e aguardo resposta sobre o texto, ok?

Bom final de semana junto à família.

AFRICA EM POESIA disse...

Carlos

a caminhada é sempre muito complicada.
E eu que o diga... Mas...vou caminhando sorrindo

Vim caminhando devagar mas com segurança.
Um beijo

CAMINHAR


Caminhar e parar
Chegar e não chegar...

Caminhei...
E cheguei...
Parei...
E não cheguei...

A contradição
Do certo e do errado
O caminhar e o parar...

É preciso caminhar...
É preciso agir...

Só assim
Cheguei e consegui!...

LILI LARANJO

Doroni Hilgenberg disse...

Carlos,
beleza de texto
E nesse eterno desencontro, a vida nos tira o amor e nos deixa lembranças entre sonhos e desejos. bjs

Carmo disse...

Querido Carlos, a chama do amor sempre a arder no teu peito.

Beijo e boa semana

Vivian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lídia Borges disse...

Deixo então um pouco de Primavera nas palavras de Eugénio com votos de uma boa semana.

Acordar, ser na manhã de abril
a brancura desta cerejeira;
arder das folhas à raiz,
dar versos ou florir desta maneira.

Abrir os braços,
acolher nos ramos o vento,
a luz ou o que quer que seja;
sentir o tempo, fibra a fibra,
a tecer o coração de uma cereja.

Eugénio de Andrade in "As mãos e os frutos"

Um beijo