sexta-feira, 12 de março de 2010

ENCONTRO [... no meu entardecer]



Encontrei-te a meio da montanha.
Era meio da tarde. Tu subias, eu descia.
Trazias contigo o sol de Verão, no calor do teu corpo, o teu cheiro, no perfume das flores da serra, uma sinfonia de sonho, no cantar da cotovia…
Em tempos, tinha subido a montanha, atingido o cume, por lá me tinha quedado, antes de encetar a descida, esse declive que agora ia percorrendo, na aragem ímpia das minhas sombras, no deserto da minha solidão, com o sol do entardecer no horizonte e o silêncio, em gritos, no ressoar dos meus passos.
A tua presença, naquele lugar, encheu-me a vida de sonhos, os teus olhos castanhos, cor de terra da minha terra, refulgiram em mim o azul do céu, o teu cabelo, tom de mar encrespado, deu-me a visão de searas de ninfas encantadas, o teu corpo deu-me a imagem paradisíaca dos montes e vales da serra…
Perdi-me na doçura das tuas palavras, no fascínio dos teus lábios, nas promessas do teu corpo, no sentimento de posse da tua alma…
Naquele momento, foi maravilhoso conhecer-te, sentir o belo de ti, viver o amor duma tarde de Verão, no Outono de mim!
Eu sabia, era um encontro fugaz, um momento de paixão, que a sombra da tarde apagaria, quando, no crepúsculo, eu descesse ao vale e tu fosses a imagem duma estrela candente na noite da minha existência.
Na hora da partida, olhei-te nos olhos, tinham o brilho, no reflexo dos meus, da orvalhada das manhãs na serra, não trocámos palavras, ambos tínhamos consciência que os nossos caminhos apenas se tinham cruzado em efémeros instantes, todavia, em mim, tinha ficado uma certeza: na minha vida, ficaria, eternamente, um dia com data marcada, o dia em que te conheci, o dia em que te amei!
Quando nos despedimos, no prosseguir do caminho interrompido, as nossas sombras cruzaram-se e, na minha emoção, eu senti o teu beijo [doce], no abraço do adeus.

(Esta é a carta que, eu sei, um dia te vou escrever!)


Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

Quinta do Anjo, 12 de Março de 2010

14 comentários:

Delirius disse...

Ai... esta carta está linda, linda, linda, linda..., mas eu não sei comentá-la, vou ter que a ler mais vezes!
Pronto, está bem!...
Olha, passei por aqui para te dar um beijo e um abraço como tu gostas!... vá lá, não sejas rabugento... prometo que volto mais tarde.
Tem fim de semana feliz, meu querido

Graça Pereira disse...

Carlos
Que saudade de te ler... Os amores e os encontros no Outono da vida, caiem como flores de Primavera, nos nossos dias de pôr de sol...deixá-las cair...
Este "Encontro" foi das páginas mais lindas que eu li, escritas por ti...
Eu diria que é quase crime deixar-nos tanto tempo sem as tuas palavras escritas com tanta força...
Beijo
Graça

Carmo disse...

Querido Carlos
(só para ti Querido Carlos)

Olha
Que coisa mais linda
Mais cheia de graça
É ela menina
Que vem e que passa
Num doce balanço
A caminho do mar

Moça do corpo dourado
Do sol de Ipanema
O seu balançado
É mais que um poema
É a coisa mais linda
Que eu já vi passar

Ah
Porque tudo é tão triste
Ah
Porque estou tão sozinho
Ah
A beleza que existe
A beleza
Que não é só minha
E também passa sozinha

Ah, se ela soubesse
Que quando ela passa
O mundo inteirinho
Se enche de graça
E fica mais lindo
Por causa do amor

Li e vou reler. Com um pedido Carlos não nos deixes tanto tempo com um vazio

Bom fim de semana

Beijinhos
Carmo

Fatima disse...

Ah!!!! Tão linda!
Tomara que ela mereça receber esta maravilha de carta.
Agora, vou me juntar as colegas e pedir tb, não some assim não viu!
Bjs.

Sonhadora disse...

Carlos
Que linda carta, poesia pura.
gostei muito desse encontro com o tempo.

Beijinhos
Sonhadora

Graça disse...

É sempre bom chegar aqui e encontrar as tuas palavras... sempre tão sentidas... sempre tão cheias de ti. Um encontro desencontrado, há tantos na vida, meu querido Carlos.

A tua carta está lindíssima, apesar de eu, particularmente, não gostar da palavra "adeus".

Querido Carlos, um bom domingo e o teu beijo doce de todos os dias.

Delirius disse...

Tu nem imaginas a falta que as tuas loucuras fazem por aqui, querido, particularmente a mim, que já me tinha habituado a elas. Foi complicado mas lá conseguimos entrar em sintonia e entender tudo muito bem.
É fazes-me falta por aqui. É claro que começo sempre por apanhar um susto de cada vez que acabo de ler os teus comentários...
És um querido lindo, e de cinzento não tens nada. No teu Outono mora a Primavera e assim que te aproximas já os seus perfumes andam soltos no ar.
Toma um beijo, num abraço e os meus carinhos.
Aparece mais vezes que me fazes falta.

AFRICA EM POESIA disse...

Um beijo...


CAMINHANDO


Andei...
Caminhei...
E pensei...

E vi...
Que a ilusão...
Não é nada...

Mas...
Continuei a pensar...
E a caminhar...

E depois...
Acordei...
E olhei ao redor...

E vi...
Tanta coisa linda...
Que decidi...
Manter a ilusão...


LILI LARANJO

joana soares disse...

Muito bonito!

Joana

Vivian disse...

...sonho com uma carta
dessa escritinha somente
pra mim...

sonho porque sonhar me é
de direito.
sonho porque enquanto sonho
deixo-me explodir o peito.

boa tarde, poeta de sonhos!

beijo imenso!

Confesso disse...

Lindo...Perfeito!
Feliz a musa de tamanha força inspiradora...

Saudades de ti.

Beijos confessos...

lenabarth disse...

NOSSA!!ISSO AQUI É LINDO DEMAIS...

Na hora da partida, olhei-te nos olhos, tinham o brilho, no reflexo dos meus, da orvalhada das manhãs na serra, não trocámos palavras, ambos tínhamos consciência que os nossos caminhos apenas se tinham cruzado em efémeros instantes, todavia, em mim, tinha ficado uma certeza: na minha vida, ficaria, eternamente, um dia com data marcada, o dia em que te conheci, o dia em que te amei!
Quando nos despedimos, no prosseguir do caminho interrompido, as nossas sombras cruzaram-se e, na minha emoção, eu senti o teu beijo [doce], no abraço do adeus.

Lindo demais , tocou no fundo bem no fundo de meu coração




Ficarei feliz com tua visita http://lenabarth.spaces.live.com

intervalo disse...

Carlos,este encontro lembra-me o Sol e a Lua,encantadora sinfonia dos sonhos.Beijosss meus,querido Carlos,na tua noite primaveril.Lia...

Lídia Borges disse...

Um momento onde cabe uma vida...

Róseas as pétalas que se vão soltando, suavemente, das suas das palavras.

Um beijo