sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

S O N H O S !





Toda a minha vida foi vivida, sonhando… sonhos!

Fui garimpeiro em serras, montes e vales, na procura de quimeras. Entrei em cavernas, cavei e furei, apenas colhi ecos de aflições e angústias, que alguém, antes de mim, ali tinha semeado.

Voei sobre campos e planícies, sobrevoei nuvens, sonhei chegar ao Céu. A rota era de vazios e escuridão, naufraguei nos gemidos do vento, nas lágrimas das nuvens, nos medos de mim…

Naveguei em rios, mares e oceanos, sonhava margens suaves, ondas calmas, ninfas, sereias e ilhas luxuriantes. Encontrei colossos de escolhos, mares encrespados, procelas, plantei rosas na areia, bebi água salgada, banhei-me em sonhos de espuma...

Explorei selvas, nunca antes desbravadas, na descoberta de fantasias perdidas. Penetrei no seu âmago, abri veredas, desfiz barreiras, enfrentei o selvagem do bravio, encontrei-me desaparecido entre os perdidos, um condenado na procura das trevas…

Aventurei-me no deserto, no desejo de oásis encantados, deusas e odaliscas. Enfrentei fantasmas de sombras, derreti-me na torreira do espírito, gelei no frio da alma, delirei abraçado ao corpo da solidão…

Fui gladiador na busca da felicidade, numa ânsia de conquista de paz, amizades, paixões e amor. Lutei numa arena de feras, em vez de paz deram-me ódio, os amigos tornaram-se inimigos, vivi ilusões por paixões, o amor foi desamor…

Num derradeiro sonho, procuro o oculto, o centro da Terra, na utopia do paraíso eterno. Cavo um poço, uma janela de esperança, e quando entro em devaneio, na miragem da ilusão, encontro um lago de água fria e o banho com que lavo a alma, faz-me desvanecer a embriaguez dos sentidos. Porfio, avanço, ainda resisto a uma torrente de ouro preto que me mumifica a esperança, mas quando vislumbro o fogo do vulcão, que me impede a passagem, já sei que cheguei ao fim do caminho, os sonhos da vida, que sempre sonhei, vão ter o seu ocaso, queimados, fumo e cinzas no regresso ao nada.

(Hoje, no fim dos sonhos, sou lava solidificada, sou pedras pretas, calçada que tu pisas quando passas na rua.)


Quinta do Anjo, 5 de Fevereiro de 2010

Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

20 comentários:

Fatima disse...

Hoje vc é uma das pessoas mais doces que eu conheço!
Bjs.

Graça disse...

Um texto magnífico, querido Carlos. Gostei muito. A tua escrita está cada vez mais bela.

Quanto aos sonhos, nunca têm fim... felizmente [porque comandam a vida...].

O teu beijo de todos os dias [mesmo quando parece que não :)]... e doce, como tu.

Sonhadora disse...

Lindo texto...gostei muito de ler.

(Hoje, no fim dos sonhos, sou lava solidificada, sou pedras pretas, calçada que tu pisas quando passas na rua.)

Palavras que podiam ser minhas.

Beijinhos
Sonhadora

Carmo disse...

Querido Carlos o Homem e a sua eterna caminhada em busca de saciar o inssaciável, de explicar o inexplicável!
Que bom voltar a ler a tua poesia, meu amigo.

Um doce beijo nesta pacata noite de Fevereiro

Carmo

Graça Pereira disse...

Quem sabe qual é o ocaso do nosso caminho?Leva contigo, nas mãos, braçados de sonhos... enquanto eles existirem, o caminho será sempre florido...Não cortes relações com o mundo. Aceita-o! E se puderes, molda-o um pouco porque todos os homens são feitos de barro ou de lava do vulcão que julgas extinto.
Beijo
Graça

Confesso disse...

Querido Carlos o ocaso dos sonhos, tenho certeza, esta distante de ti... Quem escreve como tu é um eterno sonhador... Homem poeta, doce e sensível.

Adoro quando visitas meu espaço, obrigada pelas palavras sempre tão gentis.

Beijos sonhados...

intervalo disse...

Jamais desista de garimpar,montes,serras...continue com seus voos,na volta traga nas asas as marcas dos lugares que andou,palavras sentidas como estas aqui deixou.Boa tarde,e uma semana suave,querido Carlos.Beijoss meu,com carinho.Lia...

Paola disse...

"Toda a minha vida foi vivida, sonhando… sonhos!"... Também eu, também eu... Gostei do percurso... que alimenta esta vida. Deixo um beijinho. Também de agradecimento.

Paola disse...

"Toda a minha vida foi vivida, sonhando… sonhos!"... Também eu, também eu... Gostei do percurso... que alimenta esta vida. Deixo um beijinho. Também de agradecimento.

Vivian disse...

...bom dia garimpeiro de palavras
mágicas!

o que seria da vida sem os
sonhos,
mesmo que muitas vezes
irrelizáveis, meu doce poeta?

deixo beijos,
muitos deles neste teu
coração de amar o amor.

Lídia Borges disse...

Ser tanta coisa na vida, deixa uma vida cheia... Os sonhos são vida!

Para alguém que ama a poesia como o Carlos ama, sonhar é rio a correr, movimento vivo, nunca lava solidificada, nunca pedra...

Um beijo

EMPRESÁRIA DE SUCESSO disse...

Olá obrigada pela sua visita e por seguir o meu blog, hoje tenho um selinho para você, confirme.
Boa semana

lagrima disse...

Montes e vales... e o céu no alto da serra e...

... e nas tuas palavras e nos teus sonhos!...
Nem preciso de dizer-te quantas foram as vezes que já passei por aqui (daqui e dalí...) para te reler!
E eu..., adoro ler-te e reler-te!
Mas gosto sobretudo de mastigar lentamente cada palavra para senti-la, depois, lentamente as ir juntando, até construir cada frase, sempre saboreando..., interiorizando..., até que chego ao fim..., ao fim do texto!
Mas o fim do texto não significa o fim do repasto...!
Porque eu gosto de fechar os olhos e sentir os sentidos todos em movimento..., mesmo porque sei que é assim que gostas!...

Teu texto é belissimo, grandioso!
É um lamento, e ainda assim uma elegia a ti próprio!...

Mas... é apenas um lamento, porque tudo quanto sonhaste continua vivo, como tu próprio..., e os teus sonhos só vão morrer no preciso momento do teu adormecer eterno!

Assim sendo, tens tanto ainda para sonhar, só para conseguires VIVER!...

Beijo doce no teu coração lindo!

Ah! é claro que tens o meu coração, há muito tempo!... :)))

MeuSom disse...

tenta adivinhar ;)))

lá, neste meu canto, deixa um carinho e:

leva-me contigo
gosto de ti

beijo
M.

JORDAS disse...

Além do texto ser belíssimo, ele revela a eterna procura do ser humano. Quase que o retorno ao sentido do éden, ou ao caos inicial.
Gostei desse ambiente de prospetor de novos sentidos!

Graça disse...

Passo para te deixar um beijo... sempre à espera de novas palavras :).

Doce, querido Carlos.

Vivian disse...

...carnaval festa do povo
em busca de afogar as mágoas,
esquecer da vida...rsrs

para fugir do contesto
venho trazer beijos de calmaria
a este poeta de encantos.

sssmackssssssssssss

Delirius disse...

Mas por onde andas tu?! amore mio?!
Toma beijo e abraço!
E saudade :)))

Doroni Hilgenberg disse...

Carlos...

O sonho do poeta nunca tem fim

Poeta... Ó poeta
Não deixe nunca de sonhar...

O sonho é a esperança
que tua alma criança
vive a acalentar

O sonho é o alimento
que teu coração sedento
precisa para cantar! (DH)

Ah..desculpe a ausência, passei por um trauma e tanto

bjs

Vivian disse...

...brigou com os blogs???

você faz falta, lindeza!

muahhhhhhhhhhhhhhhh