sábado, 8 de janeiro de 2011

AMOR ESTELAR!




Sou brisa, estrela de vento,
No etéreo te quero beijar.
Na terra não te posso amar,
Amo-te no firmamento.

Abraço as luzes soltas,
Que pões a nu ao passar.
Na paixão do meu sonhar,
O luar em que te ocultas.

Em espaço sideral,
O teu corpo celestial,
É fogo do meu prazer.

Se o teu rumo perderes,
E de mim desapareceres,
O meu destino é morrer!


Carlos Manuel Fernandes Gonçalves

Quinta do Anjo, 7 de Janeiro de 2011


8 comentários:

Vivian disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Graça Pereira disse...

A ânsia do amor a estender-se pelo infinito...Não há limites para o amor, eu acredito!
Lindo o teu poema!
beijo
Graça

rosa disse...

Cada vêz mais me encantam estes poemas.Continua ,Carlos ,que vale a pena.Aliás ,tudo vale a pena quando a alma não é pequena.Somos realmente vizinhos,conheço Arganil e gosto daquela paz e do sossego.
Tenho que contar que quem me deu a URL do blog foi uma grande amiga que temos em comum de quem gosto muito,e ela desses poemas encantadores É Lusa Vilar ,uma pessoa para mim formidável,que tem blogs encantadores e ela própria o é.Adeus e até sempre.

Carmo disse...

Querido Poeta, no etéreo não há proibições, podes amar quem tu quiseres, podes ser brisa, luz, estrela, podes beijar doce e levemente, mas não morres de amor, porque no etéreo não se morre. Vive-se.

Beijo

Boa semana

Lídia Borges disse...

Sentido, frágil e muito, muito bonito!


Um beijo

Linda Simões disse...

Carlos

Não há mesmo limites quando há amor.

Aqui ou em outro plano,quando o amor é verdadeiro, dura toda uma eternidade.

Lindo conjunto : poema e fotografias.

Também te desejo um Feiz Ano Novo,com muita Paz.

Um beijinho,


Linda Simões

Sonhadora disse...

Meu querido

Hoje passando apenas para deixar um carinho...um beijinho e dizer que estou de volta.

Rosa

Doroni Hilgenberg disse...

Maravilhoso poema CArlos. Senti-me tocada por esta brisa estelar. lindo poemA. BJS